top of page
  • Writer's pictureRui Marques

Diversidade e Identidade Nacional na União Europeia: Desafios multiculturais.

Conferência de Encerramento no Seminário “Diversidade e Identidade Nacional na União Europeia: desafios multiculturais ”, Lisboa, 22/23 de Março, Instituto Português de Relações Internacionais.


O debate europeu sobre diversidade e identidade nacional está actualmente marcado por importantes tensões. Particularmente, sob fogo cerrado, tem estado o multiculturalismo que, de conceito em moda, se transformou em ideia proscrita.

Com efeito, especialmente depois dos atentados em Londres e dos assassinatos de

Fortuyn e Van Gogh na Holanda, dizem as vozes autorizadas que o multiculturalismo

faliu e que nada mais há a esperar de uma visão que considera a diversidade como

estruturante e identitária. Alguns vão mesmo mais longe e também conseguem ver nos

tumultos juvenis em França outra falência do multiculturalismo, ainda que tal modelo

nunca tenha existido na sociedade francesa.


A crítica do multiculturalismo saltou assim para a agenda pública, como se nele

residisse também a causa do novo terrorismo internacional ou das tensões étnicoculturais na Europa. Nessa crítica, destaca-se o argumento que as sociedades ocidentais são excessivamente tolerantes e permissivas na aceitação no seu seio da diferença cultural e religiosa, deixando até medrar radicalismos que lhe são hostis.


Importaria, segundo esta perspectiva, recuar nessa abertura e estabelecer outros

referenciais mais fechados e, presume-se, mais uniformes em termos religiosos e

culturais. Alguns acreditam ser desejável uma renovada hegemonia cultural ou religiosa, como movimento antagónico ao pluralismo dominante e, particularmente, às suas expressões mais perturbantes. Ainda que começando só pela afirmação da necessidade de um núcleo comum de valores, em torno dos quais se desenvolva uma coesão social, a sua ambição evidencia muito mais do que isso. Nasce assim um neo-assimilacionismo, revisto e aumentado.


Os discursos sobre os “valores ocidentais” que então emergem, bem como a

recuperação da valorização da matriz grego-judaico-cristã da Europa, surgem, muitas

vezes, não como expressões de uma convicção profunda nesse referencial mas como

expedientes defensivos para barrar o caminho às ameaças percecionadas. Esta

tendência tem vindo a consolidar-se entre o “politicamente correto” como se fosse

inevitável e urgente. Ora tal leitura é precipitada e perigosa.


Ainda que se tente dissimular, o que perturba os europeus não é o multiculturalismo em

si, mas as provocações que uma leitura minoritária, radical e pervertida do Islão – os

salafistas jihadistas - tem colocado nos últimos anos. Centremos aí o início da questão.

É importante perceber que não é a diversidade cultural que essencialmente está em

causa, mas o radicalismo fora-da-lei.


Só que a forma inábil com que temos lidado com esta questão teve como efeito

indesejado uma terrível espiral que está ainda em expansão. A partir de uma energia de

activação – um atentado, um motim, uma declaração radical... - desencadeou-se um

processo destrutivo da coesão social que assume consequências incomparavelmente

maiores do que o impacto inicial.


O enquadramento escolhido, a generalização e essencialização dos protagonistas, o

enviesamento provocado pelos critérios de noticiabilidade empurram- nos para o que

queríamos evitar. Esse fenómeno gera efeitos colaterais de desconfiança e de

estigmatização que são terríveis e provocam grandes estragos.


Com toda a ingenuidade do mundo, de certa forma, temos feito o jogo dos extremistas,

dando-lhes de barato uma vitória que, pelos seus próprios meios, jamais estaria ao seu

alcance. Com os nossos erros, ajudámo-los no seu ambicionado choque de civilizações.

Este para vingar, entre outras condições, precisa de destruir a convicção de que é

possível uma sociedade multicultural. E também aí arriscamo-nos a fazer o seu jogo.



O multiculturalismo faliu?

Assim, a contra-ciclo, importa questionar algumas certezas do momento, nomeadamente

esta falência do multiculturalismo.


Comecemos por apontar alguns equívocos. De que falamos, quando nos referimos a

“multicultural”? Olhamo-lo sobretudo como adjectivo de uma política ou como traço

caracterizador de uma sociedade? Não é de somenos importância esta nuance.

As tecnologias de informação e comunicação, a mobilidade humana, os meios de

comunicação planetários ou uma economia de redes e fluxos empurram-nos para uma

estrutura social marcada pela diversidade, sempre presente em tudo e em todos.

Acrescenta-se a esta equação, a consolidação, no mundo ocidental, do pluralismo como

valor em si mesmo e da liberdade individual como afirmação constitutiva e estruturante

das nossas sociedades.


A percepção de que estas transformações nos trouxeram, inexoravelmente, uma

sociedade multicultural é fundamental, para que percebamos que não é sequer viável

discutir se queremos, ou não, uma sociedade multicultural. “Sociedade” é hoje sinónimo

de “multicultural”. É um facto incontornável. Não laboremos, portanto, num equívoco.

Não se trata de uma opção que esteja ao alcance das nossas vontades.

Mas se olharmos para o multicultural enquanto política de gestão da diversidade

cultural aí já estamos num domínio de uma opção entre várias, tipicamente arrumadas

entre o assimilacionismo, o segregacionismo e o multiculturalismo.


Enquanto política também o multiculturalismo é vítima de equívocos. O principal é

gerado, desde logo, por se tornar uniforme aquilo que é plural. Não há uma “política

multicultural”, mas sim uma variedade de experiências, muito diferentes entre si, ainda

que possam todas elas partilhar a mesma marca. Mas é evidente que o comunitarismo

inglês é substancialmente diferente do multiculturalismo canadiano e este, por sua vez,

tem pouco a ver com as experiências multiculturais holandesa ou sueca.


Destas confusões decorre que, muitas vezes, se define mal “multiculturalismo” e se lhe

atribui injustificadamente características que não lhe são intrínsecas. O caso típico é a

associação da política multicultural a uma expressão de relativismo absoluto, onde tudo é possível e igual. Ora, esta leitura é falaciosa.


Tomando a Austrália como exemplo, o modelo multicultural exige a aceitação das

estruturas e princípios básicos da sociedade australiana, incluindo a Constituição e o

quadro legal vigente, tolerância e igualdade, democracia parlamentar, liberdade de

expressão e de religião, inglês como língua nacional, igualdade de sexos, e obrigação de aceitar que os outros expressem os seus valores. Por seu lado, no Canadá, entre os três objectivos essenciais do multiculturalismo está a unidade nacional (para além da

igualdade e a participação social). Portanto, enganam-se aqueles que julgam ver no

modelo multicultural genuíno, o expoente máximo do laxismo e a origem da falta de

coesão social. Para lá da Lei, não há multiculturalismo.


Mas se quisermos encontrar elementos comuns nas definições de multiculturalismo

descobriremos a aceitação e legitimação da especificidade cultural e social de minorias,

acreditando que indivíduos e grupos podem estar plenamente integrados numa

sociedade sem perderem a sua especificidade, atribuindo ao Estado um papel muito

importante na construção do modelo. Defende-se, neste contexto, a oportunidade de

expressar e de manter elementos distintivos da cultura étnica, especialmente língua e

religião, a ausência de desvantagens sociais e económicas ligadas a aspectos étnicos, a

oportunidade de participar nos processos políticos, sem obstáculos do racismo e

discriminação e o envolvimento de grupos minoritários na formulação e expressão da

identidade nacional.


Esta dimensão de igualdade de direitos e de deveres é fundamental, pois sem ela uma

política multicultural pode ser perigosa. Bem como é essencial sublinhar que o combate

às desigualdades socio-económicas que se sobrepõem à diversidade etnocultural deve

ser estruturante das sociedades democráticas. A coincidência da exclusão socioeconómica

com o estatuto de minoria etnocultural pode ser fonte de inúmeros equívocos

e rastilho de muitas explosões.


Numa outra dimensão, acresce ainda que cada um dos modelos nacionais de política

multicultural é dinâmico e uma leitura desactualizada é fonte de novos equívocos.

Por exemplo, o modelo multicultural canadiano tem sofrido uma evolução onde se

evidenciam três etapas2: de uma fase inicial, nos anos 70, onde destacam a sua dimensão

étnica, com a metáfora do mosaico cultural a guiar a sua construção, para uma etapa

posterior, nos anos 80, onde o discurso se centra na equidade, concretamente na

igualdade de oportunidades, usando como metáfora a "nivelação" até finalmente nos

anos 90 se chegar ao multiculturalismo cívico, onde se sublinha sobre tudo o combate à

exclusão social, por via da inclusão e se utiliza a metáfora da "pertença". Este foco na

construção de uma sociedade inclusiva, onde se apela a uma cidadania plena de todos os

cidadãos, sem que devam abdicar dos seus traços distintivos representa um forma muito

distante do modelo criticado de fragmentação e de "ilhas sem pontes" que os

adversários do multiculturalismo apontam.


Dito isto, importa assumir que as experiências de políticas multiculturais estão longe de

ser perfeitas e têm um longo caminho de aperfeiçoamento a percorrer. Este exemplo das

fases do multiculturalismo canadiano é bem ilustrativo desse desafio. Provavelmente, a

incapacidade em alguns países europeus de fazer evoluir esta política, leva-nos a

transformar o multiculturalismo, no dizer de Amartya Sen, numa “pluralidade de

monoculturas separadas”. Ora aqui se define a questão nuclear e o factor crítico de

sucesso do multicultural: o transformar-se em “Intercultural”. O passar da simples

afirmação e reconhecimento da existência de um arquipélago de diferentes realidades

culturais para o foco nas “pontes” e nas consequências daí decorrentes, nomeadamente a polinização cruzada e a miscigenação.



A defesa de um modelo intercultural na gestão da diversidade

Portugal tem afirmado a sua opção de gestão da diversidade cultural, nomeadamente no acolhimento e integração de imigrantes, através de um modelo intercultural, que

deriva das políticas multiculturais e as aperfeiçoa.

O seu foco essencial é, numa sociedade multicultural, reforçar o sentido de pertença e a

construção participada de uma comunidade de destino, partindo do respeito mútuo pela

diversidade, considerada um valor em si mesmo.


Mais do que uma co-existência pacífica de diferentes comunidades e indivíduos, o

modelo intercultural afirma-se no cruzamento e miscigenação cultural, sem

aniquilamentos, nem imposições. É uma dinâmica interactiva e relacional. Muito mais

do que a simples aceitação do “outro” a verdadeira tolerância numa sociedade

intercultural propõe o acolhimento do outro e transformação de ambos com esse

encontro, decorrendo daí um novo “Nós”. Sempre plural, mas também coeso.

Nessa linha, em 2001, a UNESCO, através da sua Declaração Universal da Diversidade

Cultural sublinhava que “em sociedades cada vez mais diversificadas, torna-se

indispensável garantir uma interacção harmoniosa entre pessoas e grupos com

identidades culturais a um só tempo plurais, variadas e dinâmicas, assim como a sua

vontade de conviver. As políticas que favoreçam a inclusão e a participação de todos os cidadãos garantem a coesão social, a vitalidade da sociedade civil e a paz.”.


Esta abordagem da interculturalidade aceita também o princípio da múltipla

pertença/filiação, evitando situações em que alguém seja obrigado a optar por uma

pertença contra outra. Como consequência prática, ao mesmo tempo que a consolidação

da sua presença na sociedade de acolhimento corresponderá, em situações normais, a

uma progressiva adaptação e identificação com ela, deve ser respeitada a ligação à sua

cultura ancestral, que evite uma ruptura na sua vida.

Essa ligação pode evidenciar-se, num exercício livre e autónomo, na oportunidade de

ensino da língua e cultura materna aos seus filhos, a celebração da memória, em

expressões culturais e artísticas ou ainda na manutenção do convívio, mais ou menos

estruturado, com seus os conterrâneos radicados na mesma sociedade de acolhimento.

Estas expressões devem ter uma janela de exposição para a sociedade de acolhimento,

nomeadamente na arte e na cultura, que reforce a auto-estima dos seus protagonistas

bem como consolide o conhecimento e o afecto que a sociedade de acolhimento deve

nutrir pelas comunidades migrantes que nela se instalam.


Note-se, para que não restem dúvidas, que a política intercultural se desenvolve sempre

e só no quadro dos Direitos Humanos, da Democracia, do Estado de Direito com o

primado da Lei. Do lado das obrigações, mas também dos direitos. Mas não admite que

existam uns “mais iguais que outros”, nem assume a Lei como algo de cristalizado e

imutável. É certo que não abdica que as transformações sociais, codificadas na Lei,

devem ser democráticas e fruto da plena participação. Mas esta visão defende

intransigentemente que todos devem participar nesta transformação, em igualdade de

circunstâncias, e que evoluções são possíveis.


Nesse contexto, um aspecto crítico para o sucesso de uma politica intercultural que

cultive o sentido de pertença é participação política dos imigrantes na sociedade de

acolhimento. Portugal, como outros países, permite já a participação politica ao nível

local, ainda que condicionada ao princípio da reciprocidade, o que viabiliza a

participação de cerca de 50% dos imigrantes residentes. Ainda assim é necessário ir

mais longe. Esta maior abertura está em discussão em Portugal, passando pela

possibilidade da supressão do princípio da reciprocidade e, mais tarde, pelo alargamento

da participação política a todos os níveis para os residentes de longa duração. Este

caminho de alargamento da participação política é, na nossa perspectiva, fundamental

para permitir aumentar o seu sentido de pertença, partilhando direitos e

responsabilidades na construção de um futuro comum. Só através da plena participação

política será possível canalizar adequadamente a representação dos interesses legítimos

da população imigrante, através do sistema partidário existente, no quadro de uma

democracia representativa. Por outro lado, só essa participação co-responsabiliza os

eleitores de origem imigrante nas escolhas políticas feitas – também – por si.

A opção intercultural é, de todas as políticas de gestão da diversidade cultural, a

mais exigente: necessita, para o seu desenvolvimento, de convicção, investimento,

negociação e transformação mútua.


Para desenvolver esta visão, Portugal tem dado passos significativos. O mais recente

passa pelo seu Plano para a Integração de Imigrantes está profundamente marcado

pela inspiração da interculturalidade, aplicando-a quer na dimensão da formação dos

profissionais do sistema nacional de saúde e dos docentes, quer no envolvimento de

mediadores sócio-culturais nos serviços públicos, quer ainda através do reforço da

expressão da diversidade cultural nos museus e centros culturais e do fomento da

diversidade cultural nos media. Mas importa também sublinhar o trabalho desenvolvido

pelo Secretariado Entreculturas, na promoção da educação intercultural, ou do

trabalho do Programa de televisão NÓS na RTP 2, como janela aberta todos os

domingos para um Portugal intercultural.


Neste contexto, o desafio que se coloca à redefinição da identidade nacional em

Portugal é uma enorme oportunidade. Precisamos de nos rever e de saber reler a nossa

identidade. Ao fazê- lo, no caso português, encontraremos seguramente uma identidade

de fusão, com uma rede de estradas que se foram cruzando desde a sua origem até a

actualidade, na imagem de Malouf. E se assim definida a nossa identidade nacional,

nela encaixará perfeitamente a diversidade deste novo “Nós”. Seremos, por isso, um

país cheio de sorte, reencontrados com a nossa identidade de sempre e capazes de

construir uma comunidade de destino intercultural, coesa e forte.

コメント


bottom of page