top of page
  • Writer's pictureRui Marques

Apesar de tudo, dizemos sim à vida!



Esta canção foi composta num campo de concentração, por Fritz Lohner-Beda e Hermann Leopoldi. Em Buchenwald ressoava então, contra toda a escuridão desse tempo terrífico, esta letra:


“Ah Buchenwald nunca te irei esquecer,

O meu destino o quis assim.

Só quem se libertou pode saber

A maravilha que é ser livre enfim!

Ah Buchenwald, nem uma voz será ouvida,

Sem lamentos aceitamos o que virá,

Apesar de tudo, dizemos sim à vida,

Seremos livres: o dia chegará!

(….)

E a noite é breve, o dia fim não tem,

Mas ouve-se um cantar vindo da terra-mãe:

Ninguém nos tira o ânimo e a esperança.

Não percas a coragem, camarada, aguenta,

Nós trazemos no sangue o apego à vida

E no fundo da alma a nossa crença.

Ah Buchenwald, nunca te irei esquecer…”

Hoje que não vivemos nada que se pareça, vale a pena deixarmo-nos inspirar por esta memória para fazer face às adversidades com que, porventura, nos vamos cruzando. “Ninguém nos tira o ânimo e a esperança”…

(Poema publicado no livro “Dizer sim à vida apesar de tudo, que reúne alguns discursos de Viktor Frankl, da Pergaminho)


Comments


bottom of page