top of page
  • Writer's pictureRui Marques

Estar na encruzilhada

Um dos momentos em que beneficiamos com um olhar de fora é cada vez que nos encontramos numa encruzilhada. Para isso há um modelo, proposto no O livro das decisões”, de Mikael Krogerus e Roman Tschappeler (obra que sugiro faça parte da sua biblioteca de uso regular).


“Todos temos momentos na vida em que nos encontramos numa encruzilhada e nos perguntamos: «E agora, para onde vou?”. O modelo da encruzilhada ajuda-nos a encontrar o nosso caminho na vida. Preencha o modelo com base nas questões seguintes:


Donde vem?

Como se tornou na pessoa que é? Quais foram as principais decisões, acontecimentos e obstáculos na sua vida e quem foram as suas principais influências? Pense na sua educação, na sua casa e no local onde cresceu. Tome nota das palavras que lhe parecerem importantes.


O que é realmente importante para si?

Anote as primeiras três coisas que lhe venham à mente. Não tem de entrar em pormenores nem ser específico. Quais são os seus valores? Em que acredita? Quais são os princípios importantes para si? Quando tudo falha, o que sobra?


Que pessoas são importantes para si?

Aqui deve pensar nas pessoas cuja opinião valoriza e que influenciam as suas decisões, bem como nas que são afetadas pelas suas decisões. Pense também nas pessoas de que gosta e nas que teme.


O que o está a impedir?

Que aspetos da sua vida o inibem de pensar nas coisas realmente importantes? Que prazos tem na cabeça e o que o está a impedir? O que tem de fazer e quando?


De que tem medo?

Faca uma lista das coisas, das circunstâncias ou das pessoas que o deixam preocupado e lhe retiram força.


Olhe para as suas notas. O que falta? Que problemas surgiram? Será que as palavras que escreveu contam a história de como se tornou na pessoa que é hoje? Se necessário, registe mais palavras e questões.


Agora, olhe para os caminhos à sua frente. Damos-lhe seis exemplos. Imagine cada um deles:

  1. O caminho que já percorri.

  2. O caminho que me acena - o que sempre quis tentar?

  3. O caminho que imagino nos meus sonhos mais loucos, independentemente de ser alcançável ou não - com que sonha?

  4. O caminho que me parece mais sensato, o que as pessoas cuja opinião valorizo me sugeririam.

  5. O caminho não frequentado - aquele em que nunca pensou antes.

  6. O caminho de regresso ao lugar onde me senti em segurança."

Opmerkingen


bottom of page